• Ícone do Facebook Preto
  • Ícone do Instagram Preto
  • Ícone do Youtube Preto

Família ajuda ou atrapalha quem deseja parar de fumar?

Atualizado: Mar 23


Todos nós temos profundo amor por nossas famílias, certo? Via de regra é na família que nos apoiamos e nos fortalecemos nos momentos difíceis, como também é com ela que comemoramos nossas vitórias e conquistas.


Sabemos, no entanto, que o “mundo perfeito” não existe e que é comum à todas elas enfrentarem dificuldades das mais diferentes ordens como problemas de saúde, dificuldades financeiras, relacionamento complicado com algum membro mais difícil, entre outros inúmeros problemas.


Com frequência é na família que buscamos e encontramos apoio para passar por desafios importantes. Para o fumante não é diferente e é com seus entes queridos que ele busca apoio para a cessação do tabagismo. No entanto, parar de fumar é um enorme desafio e, para que alcance o sucesso, o fumante precisará de todo o apoio que puder contar, especialmente da família e amigos próximos.


Lançamos aqui algumas provocações para sua reflexão: família ajuda ou atrapalha na hora de apoiar um membro que deseja parar de fumar? Família apoia ou ignora o fumante em seu desafio de largar o cigarro? Resposta: há famílias que apoiam e há famílias que atrapalham. Vejamos porquê:


Há muitas famílias com mais de um fumante. Muitas vezes os fumantes “se reúnem” para fumar. Fumam juntos após as refeições, fumam juntos na hora que se reúnem para conversar, quando estão em alguma atividade de lazer como assistir a um filme, fazer um passeio etc. E, acaba acontecendo, frequentemente, que o membro fumante que não pretende parar de fumar, não quer perder a companhia, não quer ser ‘sozinho(a)’ o errado da família, o fraco(a) da família e, boicota, mesmo sem ter consciência, o membro que decidiu largar o cigarro, largar a dependência da nicotina.


Então, o que fazer? Veja algumas sugestões. Algumas dicas servem para os dois tipos de família, com outros fumantes ou não.


1) Comunique-se

Tenha uma clara comunicação com sua família. Avise a todos os membros sobre sua decisão de deixar de fumar.

Informe sobre os sintomas da síndrome de abstinência que você irá enfrentar como aumento de irritabilidade, ansiedade, falta de concentração, dificuldade para dormir, mas não os assuste. Estes sintomas são passageiros e não se manifestam, com a mesma intensidade, em todos os fumantes.


2) Convide-os a participarem de seu desafio de parar de fumar.

Certamente seus familiares, fumantes ou não, ficarão muito felizes de o apoiar. Convide-os para acompanhá-lo(a) a médicos, grupos de encontro e outras atividades. Isto é importante para que eles compreendam o tamanho de seu desafio.


3) Peça colaboração dos outros familiares fumantes

Muitos familiares querem ajudar, mas não sabem como fazer. Mostre a eles como lhe ajudar:

· Peça a eles não fumarem na sua frente. Se possível, peça que fumem em ambientes abertos como jardins, quintais, varandas etc.

· Peça a eles que não lhe ofereçam cigarros em hipótese alguma, ao contrário, caso seja você a pedir cigarro a eles peça que não lhe deem.


4) Tenha foco e faça o que tem que ser feito.

Caso necessário, considere mudar de ambiente, isto é, mudar de casa ainda que temporariamente. Passe uns dias fora; lembre-se que a primeira semana é a pior. Pode parecer uma ação extrema, mas vale a pena se for para você conseguir parar de fumar.


Caso Bruno

Bruno decidiu parar de fumar aos 24 anos. Apesar de moço, já fumava há 08 anos, desde os 16.

Além de ter que lidar com as dificuldades comuns à todos os fumantes que decidem parar de fumar, Bruno tinha mais um desafio a vencer: a família fumante. Segundo Bruno nos contou, sua família era muito amorosa e apoiavam-se mutuamente sempre. Logo, foi uma surpresa perceber que, quando precisou deles para ajudá-lo a parar de fumar, não teve o apoio esperado.

Isso é muito comum em famílias de fumantes. Mesmo sem querer, ainda que não de forma intencional, alguns membros fumantes podem boicotar os que querem deixar o cigarro.

No caso de Bruno, seus pais e irmão continuaram a fumar normalmente, sem tomar nenhum cuidado especial com ele. Durante todo o tempo em que estava em casa tinha que conviver com alguém fumando. Seu pai, uma vez, chegou a lhe pedir que lhe comprasse cigarros.

No momento em que Bruno percebeu que estava muito difícil conviver com tantos fumantes, tomou uma atitude muito importante e foi morar, temporariamente, com os avós. Só voltou à sua casa quando se sentiu seguro e acreditou que não recairia.

Claro que nem sempre é necessário fazer como Bruno e sair de casa, mas caso você more com outros fumantes, construa uma estratégia e procure eliminar ou neutralizar tudo o que poderá colocar em risco sua decisão de parar de fumar.

Não desista de você, não desista de sua vida.



* Conheça o Método Livre! Sem Fumar

* Acompanhe nossos encontros ao vivo todas as segundas feiras, às 14:00 e às 19:00hr pelo Instagram

*Baixe grátis o E-book "Destrave e pare de fumar"




Vera Lúcia Poli e Maitê Poli são ex-fumantes criadoras e orientadoras do Método Livre! Sem Fumar




#parardefumar

#comoparardefumar

#queroparardefumar

#ansiedadeecigarro


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Caminhos Possíveis - Comércio e Serviços Ltda ME

CNPJ:04.534.283/0001-02